fbpx

Dentre as doenças respiratórias dos bovinos, as pneumonias são as mais frequentes, principalmente em animais jovens, geralmente até o desmame, havendo índices de incidência superiores a 15%. Por ser uma das principais causas de perdas econômicas na pecuária bovina é de suma importância que haja atenção em relação a gestão sanitária dos rebanhos (AMES, 1997; ANDREWS et al., 1981; HARTEL et al., 2004; CROWE, 2001; MAILLARD et al., 2006).

As pneumonias são enfermidades provocadas pela reação inflamatória decorrente da penetração de um agente infeccioso no trato respiratório inferior. O processo pelo qual a doença se desenvolve varia de acordo com os agentes e sua virulência, bem como a porta de entrada da infecção (RADOSTITS et al., 2002).

Vale salientar também que existem alguns tipos diferentes de pneumonias, sendo a pneumonia intersticial e as broncopneumonias os tipos mais frequentes. Para se ter uma ideia, somente a broncopneumonia é responsável por mais de 70% dos casos da doença. (ANDREWS et al., 1992; RADOSTITS et al., 2002, ANDREWS et al., 1992; REBHUN, 2000). A pneumonia intersticial causa uma inflamação pulmonar difusa, geralmente decorrente da inalação de toxinas ou infecções virais isoladas (WISKE, 1985; COTRAN et al., 1999). Já a broncopneumonia, é uma inflamação dos brônquios, bronquíolos, pulmão e também da camada que recobre o pulmão, ocasionada por infecções bacterianas e virais transportados pelo ar (RADOSTITS et al., 2002; GONÇALVES et al., 2001).

A origem da enfermidade está relacionada a um desequilíbrio na tríade dos três princípios básicos necessários para que haja uma infecção: microrganismo, animal e ambiente. Havendo a presença de um ou mais microrganismos patogênicos, associados a uma deficiência da imunidade do animal e a fatores ambientais predisponentes, a contaminação irá evoluir para uma infecção. Os fatores ambientais que favorecem o surgimento da pneumonia são a superlotação, mistura de animais de diferentes categorias, frio e calor excessivo, umidade alta, pouca ventilação, manejo alimentar inadequado, estresse de transporte ou desmame, entre outros (WALTNER-TOEWS et al., 1986; CALLAN e GARRY, 2002; SVENSSON e LIBERG, 2006).

Na pneumonia há diversos sinais clínicos, que podem variar de acordo com a localização da infecção. Dentre os principais sinais visíveis da pneumonia podemos destacar a tosse, secreções nasais, inapetência, apatia, entre outros. Existem também outros sinais que podem ser detectados em exames clínicos específicos feitos pelo veterinário, como por exemplo alterações nos sons pulmonares (HINCHCLIFF e BYRNE, 1991; GONÇALVES et al., 2001; RADOSTITS et al., 2002)

Quanto ao tratamento, é indicado o uso de antimicrobianos associados a anti-inflamatórios. O objetivo do tratamento, além de eliminar o agente causador, é reduzir a febre, a inflamação pulmonar e através da melhora sintomática, promover retorno rápido do animal as suas atividades produtivas e reprodutivas (MAZZUCCHELLI et al., 1995; REBHUN, 2000; RADOSTITS et al., 2002). Nesse contexto a J.A Saúde Animal sugere o uso de Diclotril, antimicrobiano injetável à base de Enrofloxacina, apresentando amplo espectro e alta eficácia no combate aos agentes infecciosos da pneumonia. Além da ação antimicrobiana, Diclotril possui o Diclofenaco de Sódio, anti-inflamatório que irá combater a inflamação pulmonar e promover maior bem-estar ao animal doente.


Nos acompanhe nas redes sociais!


Autores:

Eduardo Henrique de Castro Rezende – Médico Veterinário da J.A Saúde Animal

Referências:

AMES, T.R. Dairy calf pneumonia.: the disease and its impact. Vet. Clin. North. Am. Food. Anim. Pract., v.13, n.3, p.379-391, 1997.

ANDREWS, A.H. Other conditions. In: ANDREWS, A.H.; BLOWEY, R.W.; et al. Bovine medicine: diseases and husbandry of cattle. 1 ed. Oxford: Blackwell, p.759- 767, 1992.

ANDREWS, A.H.; PRITCHARD, D.G.; et al. Observations on a respiratory disease outbreak in weaned suckled calves. Vet. Record, v.108, p.130-142, 1981.

CALLAN, R.J.; GARRY, F.B. Biosecurity and bovine respiratory disesae. Vet. Clin. of North Am. Food. Animal Practice, p.57-77, 2002.

COTRAN, R.S.; KUMAR, V.; et al. Robbins: Pathologic Basis of Disease. Philadelphia: WB Saunders, 1999. 1440p.

CROWE, J.E. Influence of maternal antibodies on neonatal immunization against respiratory viruses. Clin. Infect. Dis., v.33, p.1720-1727, 2001.

GONÇALVES, R.C.; KUCHEMBUCK, M.R.G.; et al. Diferenciação clínica da broncopneumoniamoderada e grave em bezerros. Ciênc. Rural, v.31, p.263-269, 2001.

HARTEL, H.; NIKUNEN, S.; et al. Viral and bacterial pathogens in bovine respiratory disease in Finland. Acta Vet. Scand., v.45, n.3-4, p.193-200, 2004.

HINCHCLIFF, K.W.; BYRNE, B. Clinical examination of the respiratory system. Vet. Clin. North Am. Equine Practice, v.7, p.1-26, 1991.

MAILLARD, R.; ASSIE, S. et al. Respiratory disease in adult cattle. In: Proceedings of XXIV World Buiatrics Congress. Nice, France. Disponível em: http://www.ivis.org/proceedings/wbc/wbc2006/maillard.pdf?LA=1

MAZZUCCHELLI, F.; RODRIGUEZ, M. Patologia respiratória del ternero em cría intensiva : pautas básicas para su tratamiento y prevención. Med.Vet., v. 12, n. 9, p.506 – 512, 1995 .

RADOSTITS, O.M., BLOOD, D.C., et al. Veterinary medicine: a textbook of diseases of cattle, sheep, pigs, goats and horses. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 1737p.

REBHUN, W.C. Doenças do Gado Leiteiro. 1. ed. São Paulo: Editora Roca, 2000. 462p.

REBHUN, W.C. Doenças do Gado Leiteiro. 1. ed. São Paulo: Editora Roca, 2000. 462p.

SVENSSON, C.; LIBERG, P. The effect of group size on health and growth rate of Swedish dairy calves housed in pens with automatic milk-feeders. Prev. Vet. Med., v.73, p.43-53, 2006.

WALTNER-TOEWS, D.; MARTIN, S.W. et al., A field trial to evaluate the efficacy of a combined rotavirus-coronavirus/Escherichia coli vaccine in dairy cattle. Can. J. Comp. Med., v.49, p.1-9, 1985.

WIKSE, S.E. Feedlot cattle pneumonia. Vet. Clin. North Am. Food Anim. Pract., v.1, p.288-310, 1985.

Deixe um comentário