O sistema respiratório dos bovinos está sempre vulnerável a microorganismos com grande potencial patogênico, entretanto na maioria das vezes, o sistema imunológico dos animais saudáveis consegue debelar as infecções sem maiores problemas. Quando a função de defesa pulmonar está debilitada ou quando o tecido pulmonar sofre alguma lesão, há a instalação de microrganismos com posterior desenvolvimento de uma doença respiratória. A pneumonia bacteriana é a enfermidade mais frequente e a maior causadora de mortalidades e perdas econômicas dentre as doenças respiratórias bovinas (MOSIER, 1997).

 

A pneumonia é uma doença infecciosa que ocorre com mais frequência em bovinos jovens e em animais confinados em grupos, associada aos modernos sistemas de manejo intensivo de rebanhos de corte e leite. Dentre os agentes etiológicos podemos citar o Mycoplasma dispar, M. bovis, Ureaplasma diversum, Pasteurella haemolytica (Mannheimia haemolytica), P. multocida, Haemophilus somnus, entre outros (FRASER, 1991).

 

Por ser uma doença com alto potencial infectocontagioso, provoca diversos prejuízos a pecuária. Em casos de surtos pode ocorrer morbidade de até 75% do rebanho, sendo a causa de até 70% das mortes em animais confinados (EDWARDS, 1996; GALYEAN, PERINO, e DUFF, 1999; LONERAGAN et al, 2001). Animais acometidos com pneumonia crônica tem redução de até 8,4% no seu peso final de abate, com perda de 24,7% na qualidade da carcaça (DUFF e GALYEAN, 2007). A redução na eficiência alimentar, os custos de tratamento e os índices de mortalidade decorrentes da pneumonia são responsáveis por um prejuízo superior a 900 milhões nos EUA (CHIRASE E GREENE, 2001).

 

O estresse do transporte, a adaptação do animal ao confinamento, o inverno e a poeira, são fatores predisponentes a incidência de doenças respiratórias em bovinos (Dias Filho, 2011). Os animais acometidos ficam apáticos, se isolam dos demais, há aumento da frequência respiratória, febre em torno de 40 a 41ºC, crostas e secreção nas narinas. É preciso atenção ao aparecimento abrupto de animais mortos na propriedade, pois esse pode ser um indicativo de que há um surto de pneumonia no rebanho (VECHIATO, 2018).

Com o intuito de tratar os animais enfermos, é necessário lançar mão de antibioticoterapia injetável, diminuindo assim a transmissão da doença e consequentemente a incidência de pneumonia no rebanho. Uma excelente opção é o uso de Enrofloxacina, que segundo estudos, pode ser usado com sucesso como tratamento em animais confinados, proporcionando além da redução de doenças respiratórias e um consequente aumento do ganho de peso dos animais (BARBOSA, I.L.A. et al. 2011).

Diclotril é a sugestão da J.A para a resolução das enfermidades respiratórias. Eficaz associação à base de Enrofloxacina e Diclofenaco de Sódio, combate as infecções bacterianas além promover efeito anti-inflamatório, garantindo maior conforto e alívio ao animal. O produto possui apresentação econômica de 250 ml, ideal para o uso em confinamentos e em propriedades com alta incidência da doença.

Clique aqui e saiba mais sobre o Diclotril 😊

 

Autor: Eduardo Henrique de Castro Rezende – Médico Veterinário – J.A Saúde Animal.

 

 

Referências bibliográficas:

 

BARBOSA, I.L.A. et al. Ganho de peso em bovinos em confinamento utilizando enrofloxacino e polivacinas. PUBVET, Londrina, V. 5, N. 8, Ed. 155, Art. 1049, 2011.)

Chirase, N.K. and L.W. Greene. “Dietary Zinc and Manganese Sources Administered from the Fetal Stage Onwards Affect Immune Response of Transit Stressed and Virus Infected Offspring Steer Calves.” Animal Feed Science and Technology 93(2001):217-228

DIAS FILHO, Adelar. Técnicas aplicadas para confinamento de bovinos. 2011. 1 v. Tese (Doutorado) – Curso de Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, Brasília, 2011. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/1787/1/2011_AdelarDiasFilho.pdf

Duff, G.C. and M.L. Galyean. “Board-Invited Review: Recent Advances in Management of Highly Stressed, Newly Received Feedlot Cattle.” Journal of Animal Science 85(2007):823-840.

Edwards, A.J. “Respiratory Diseases of Feedlot Cattle in the Central USA.” Bovine Practitioner 30(1996):5-7.

FRASER, C.M. Manual Merck de veterinária: um manual de diagnóstico, tratamento, prevenção e controle de doenças para o veterinário. 6. ed. São Paulo: Roca, 1991. 1803 p.

Galyean, M.L.; L.J. Perino, and G.C. Duff. “Interaction of Cattle Health/Immunity and Nutrition.” Journal of Animal Science 77(1999):1120-1134.

Loneragan, G.H.; D.A. Dargatz, P.S. Morley, and M.A. Smith. “Trends in Mortality Ratios Among Cattle in US Feedlots.” Journal of the American Veterinary Medical Association 219(2001):1122-1127.

MOISER, D.A. Bacterial Pneumonia. Vet. Clin. North Am. Food An. Pract., v.13, n.3, p.483-493, 1997.

VECHIATO, Thales dos Anjos de Faria. Pasteurelose: a pneumonia dos confinamentos. Disponível em: <https://www.grupocultivar.com.br/ativemanager/uploads/arquivos/artigos/pneumonia.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2018.

Deixe um comentário