Os equinos, à semelhança dos humanos, possuem uma boca com diversificados tipos de dentes a fim de permitir a apreensão e mastigação de alimentos. A boca dos equinos adultos contém de 36 a 44 dentes, que são divididos em incisivos (12), caninos (0-4), pré-molares (12-16) e molares (12). Os caninos geralmente estão ausentes nas fêmeas e em alguns machos, e o primeiro pré-molar (dente de lobo) pode estar ausente em alguns animais também. Apesar desta semelhança com os humanos, os dentes dos equinos são considerados hipsodontes (e dos humanos braquiodontes), o que significa que ainda existe o processo de odontogênese mesmo após a eclosão e contato com o dente antagônico, ou seja, os dentes dos equinos estão constantemente se ajustando. Isso vai permitir predizer a idade destes animais, mas também vai predispor a algumas alterações odontológicas (PENSE, 2002).

Dentre as alterações odontológicas observadas, as mais comuns são as pontas de esmalte excessivas, infecções, fraturas de dente, retenção de capa dentária e má oclusão da mesa dentária (DIXON & DACRE, 2005). Como sinais clínicos, observa-se dificuldade na mastigação, queda de alimento da boca do animal, aumento de volume uni ou bilateral da face ou mandíbula do animal, diminuição do peso corporal ou dificuldade de engordar e dor ao se tracionar a embocadura (BAKER & EASLEY, 2005).

A correta avaliação seguida de um diagnóstico bem realizado deve ser feita por um Médico Veterinário capacitado, com uso de equipamentos adequados, a fim de garantir a segurança do animal e do próprio profissional. Para isso, utilizam-se de equipamentos como o abre-bocas, espelho odontológico, sonda milimetradas, e ainda Raio-X e endoscópio (DIXON & DACRE, 2005; SIMHOFER et al., 2008). Nestes procedimentos, é aconselhável que o animal esteja sedado para uma abordagem facilitada e segura.

O tratamento das doenças odontológicas vai variar conforme o tipo de lesão encontrada. Este pode consistir em apenas grosar as pontas de esmalte, e até mesmo lançar mão de procedimento cirúrgico para remoção de dentes (DIXON et al., 1999; 2000). É recomendado que, após o tratamento odontológico, se faça a analgesia com uso de anti-inflamatórios a fim de proporcionar maior conforto ao animal.

Para a prevenção dos problemas odontológicos nos equinos, recomenda-se a administração de alimentos de qualidade e uso correto das embocaduras a fim de se evitar lesões na boca do animal. Aconselha-se ainda, que os animais passem por um exame odontológico, realizado por um Médico Veterinário periodicamente a cada seis meses, a fim de se identificar possíveis alterações antes que se tornem problemas graves e afete a qualidade de vida do animal.

Para a realização de procedimentos odontológicos, a J.A Saúde Animal sugere o uso do Equisedan, sedativo a base de Xilazina 10%, permitindo a realização de procedimentos como a avaliação e tratamento odontológico com maior segurança para o animal e os profissionais envolvidos. Além disso, pode ser utilizado Flumax, anti-inflamatório a base de Flunexin Meglumine após o procedimento de tratamento odontológico, o que irá proporcionar a analgesia necessária para que se garanta o conforto do animal.

 

Autores

M.V. Gustavo Morandini Reginato – Mestrando da FZEA-USP.

M.V. Eduardo Henrique de Castro Rezende – J.A Saúde Animal

 

REFERÊNCIAS

BAKER, G.J.; EASLEY, J.  EQUINE DENTISTRY, Second edition. Elsevier Limited, 2005, 353p.

DIXON, P.M.; DACRE, I. A review of equine dental disorders. The Veterinary Journal, v.169, n.2, p.165-187, 2005.

DIXON, P. M.; TREMAINE, W. H.; PICKLES, K. et al. Equine dental disease Part 1: A long-term study of 400 cases: disorders of incisor, canine and first premolar teeth. Equine Veterinary Journal, v.31, n.5, p.369-377, 1999.

DIXON, P. M.; TREMAINE, W. H.; PICKLES, K. et al. Equine dental disease Part 4: a long-term study of 400 cases: apical infections of cheek teeth, Equine Veterinary Journal, v.32, n.3, p.182-194, 2000.

PENCE, P. Equine dentistry: a practical guide. Lippincott Williams & Wilkins, 351, West Camden Street, Baltimore, 2002, 275p.

SIMHOFER, H.; GRISS, R.; ZETNER, K. The use of oral endoscopy for detection of cheek teeth abnormalities in 300 horses, The Veterinary Journal, v.178, n.3, p.396-404, 2008.

 

Fonte da imagem: http://thehorsetooth.com/wp-content/uploads/2017/02/iStock-152227356.jpg

Deixe um comentário